Colégio Queiroz Brunelli
Escola Primeiros Passos
  1.      

Notícias

As melhores (e piores) atitudes para combater o bullying

16/04/2018



Clique na foto para ampliar


Uma pesquisa do Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) mostra que o Brasil ocupa o quarto lugar no ranking de países que mais abrigam o bullying. Para ter ideia, 43% das crianças e dos jovens estão passando por apuros, como atitudes agressivas e intimidação. Encontrar as peças certas para prevenir ou eliminar esse comportamento exige o envolvimento de diversos atores. Família, escola e os próprios estudantes têm um papel a cumprir no combate às manifestações hostis. Veja o que os especialistas incentivam e o que contraindicam para a paz voltar a reinar.

 

Atitudes bem-vindas

 

Falar do assunto em sala de aula

 

É fundamental que os professores conversem com naturalidade e expliquem o que configura o bullying aos alunos. Nas classes podem ser realizadas inclusive atividades lúdicas e preventivas.Experts defendem que o tema precisa ser inserido no currículo escolar a fim de que os frutos sejam colhidos no longo prazo.

 

Ensinar por meio do exemplo

 

A falta de modelos positivos colabora muito para o bullying surgir e se perpetuar. É comum que uma criança, seja ela alvo, seja autora, esteja com dificuldades dentro de casa ou na escola. Pais e professores violentos estimulam atitudes similares por parte dos mais jovens.

 

Respeitar as diferenças

 

Em casa e no colégio, crianças precisam aprender desde cedo que o preconceito só traz prejuízos a si e ao grupo. E devem ser estimuladas a enxergar as necessidades ou o sofrimento do outro, com o intuito de impedir ou frear atos ofensivos. O ideal é que os jovens incorporem esses valores naturalmente e não sob o medo da repreensão.

 

Intervir no ato do bullying

 

Interferir no momento exato e apontar o que há de errado ajuda a evitar que o problema ganhe terreno, fuja do controle e fique posteriormente ainda mais grave. Sem contar que serve de exemplo para que outras crianças não cometam ou repitam comportamentos indesejáveis.

 

Professores, pais e pediatras devem conversar sobre o comportamento do filho na escola, buscando, se preciso, soluções conjuntas.

 

Não deixar de envolver a família

 

Pais e cuidadores têm participação direta na contenção do bullying. Se os familiares não estabelecem diálogos, impõem limites e restringem acesso a várias formas de violência (na TV, na internet…), a criança não terá consciência de suas atitudes agressivas. Aliás, escola e família precisam se unir em qualquer caso do tipo.

 

Vale lembrar que não é raro que o hábito de importunar os outros comece em casa entre irmãos, o que pode se reproduzir na sala de aula.

 

Ouvir o que os alunos têm a dizer

 

As escolas devem promover espaços de diálogo que favoreçam os laços afetivos e melhorem a qualidade das relações. E isso inclui prestar atenção ao que sentem e expressam os próprios estudantes. As principais pistas para identificar, resolver e evitar os casos de bullying estão com os protagonistas dos episódios.

 

Atitudes contraindicadas

 

Fingir que não tem problema

 

Está aí um dos maiores erros quando o assunto é bullying. Muitos adultos encaram a questão como algo menor, passageiro ou simplesmente como parte da formação escolar. Não dá para menosprezar as ofensas e suas consequências. O comportamento agressivo gera traumas, alguns deles difíceis de superar.

 

 

Punir os agressores

 

Medidas radicais raramente resolvem. Nada supera uma abordagem detalhada, humana e que visa à construção de relacionamentos mais coesos. Psicólogos e médicos com expertise na área podem ser necessários para auxiliar o autor do bullying a vencer dificuldades e aprender um novo jeito de se portar.

 

Não ter um adulto por perto

 

No ambiente escolar, a presença de professores e monitores faz toda a diferença – sobretudo no recreio e nos intervalos. É geralmente na ausência dos adultos que o bullying se manifesta. Na verdade, os educadores devem instigar os alunos a ter limites por respeito mútuo e não pelo medo de castigo.

 

Fontes: Joel Conceição Bressa da Cunha, presidente da Sociedade Brasileira de Pediatria; Lúcia Cavalcanti de Albuquerque Williams, psicóloga e professora da Universidade Federal de São Carlos; Maria Isabel da Silva Leme, psicóloga do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo; Cléo Fante, pedagoga especialista em bullying (SP)


Fonte:https://saude.abril.com.br/bem-estar/as-melhores-e-piores-atitudes-para-combater-o-bullying/

NOTÍCIAS
16
  1. 5 maneiras de estimular o cérebro do seu filho
  2. 1. Natureza   Ao estimular todos os sentidos, da audição à visão, as aulas ao ar livre podem melhorar a performanc...
  3. Leia mais
13
  1. Sarampo: o que você precisa saber sobre a volta da doença
  2. Infectologista pediátrico explica quais sintomas devem chamar a atenção dos pais e reitera importância da vacina diante ...
  3. Leia mais
12
  1. Precisamos falar sobre a saúde mental das mães
  2. Já se passaram cinco anos, mas sempre me lembro como se fosse ontem.   Eu, uma recém-nascida no colo e uma filha d...
  3. Leia mais
11
  1. 11 perguntas e respostas sobre cuidados com a pele do bebê no inverno
  2. Não é só a pele dos adultos que sente os efeitos desse período do ano. Saiba como cuidar da pele dos pequenos nos dias f...
  3. Leia mais
10
  1. Crianças podem tomar café?
  2. A nutróloga Liliane Opperman explica como a bebida pode ser incluída no cardápio dos pequenos.   O café tem um che...
  3. Leia mais

Outros notícias

  1. Nossos Comunicados
  1. 5 maneiras de estimular o cérebro do seu filho
  2. Julho 16, 2018
  1. Sarampo: o que você precisa saber sobre a volta da doença
  2. Julho 13, 2018
  1. Contato
  1. Ribeirão Preto
  2. Administração:
    Rua Miguel Ignácio, 378
    Jardim Castelo Branco Novo
    CEP: 14090-530
    Telefone: (16) 3627-2548
  1. Rede Sociais
  1.